16 de julho de 2019
Abime
Saber Pedagógico

Música, brincadeiras, interação, como despertar o amor pela educação na primeira infância

via G1

No dia 28 de abril é comemorado o Dia Mundial da Educação, e para marcar a data, o MSTV 2° Edição preparou uma série de reportagens sobre o tema, mostrando os caminhos que o estudante percorre da pré-escola até o nível médio. Na primeira, exibida nesta segunda-feira (29), os desafios da educação na primeira infância, em casa e na escola.

A doutora em educação, Ângela maria costa, doutora em educação, explica que o incentivo nos primeiros anos de vida da criança é extremamente importante:

“A gente percebe que de zero a três anos, o ser humano alcança um desenvolvimento tão fantástico que nunca mais vai acontecer na vida dele. Ele sai de um dependente total, de não falar, não andar, não sabe nem virar, para estar falando, andando, conversando, se posicionando.”

Os educadores chamam de “primeira infância”, a etapa que vai de zero a seis anos. As experiências e descobertas desse período são levadas para o resto da vida, de acordo com a coordenadora de educação infantil Rafaelly Calves:

“As crianças passam muito tempo na escola, então a gente precisa oferecer toda essa questão de desenvolvimento. Elas precisam se expressar, participar, se conhecer. É um direito de aprendizagem que a criança precisa vivenciar e é dentro da escola”, declara.

Entre uma atividade e outra na escola, os alunos também são convidados e mexer o corpo, cantando e dançando. A música também é usada na educação infantil na rede municipal. É através do som que os educadores conseguem trabalhar nas crianças a fala, a criatividade, a sensibilidade. Em atividades assim, os pequenos também aprendem a conviver em grupo, em sociedade. Onde um coleguinha compartilha com o outro as novas experiências, como explica a educadora Pricila Ribeiro:

Entre uma atividade e outra na escola, os alunos também são convidados e mexer o corpo, cantando e dançando. A música também é usada na educação infantil na rede municipal. É através do som que os educadores conseguem trabalhar nas crianças a fala, a criatividade, a sensibilidade. Em atividades assim, os pequenos também aprendem a conviver em grupo, em sociedade. Onde um coleguinha compartilha com o outro as novas experiências, como explica a educadora Pricila Ribeiro:

“A música é muito importante porque ela trabalha oralidade, os movimentos corporais, é cultural também, nos estamos recebendo apoio de pessoas para vir tocar instrumentos musicais”, conta.

A auxiliar de coordenação Odete Aparecida de Moraes explica que no ambiente escolar, a crinaça é estimulada a entender e preservar o espaço à sua volta:

“A gente tenta fomentar com as crianças essa ideia de que a gente pode cuidar do nosso espaço, plantar flores, frutos, verduras e eles podem repetir isso na casa deles, que é essa a nossa intenção. Passar para as crianças que a gente pode cuidar do meio ambiente e usufruir dele.”

Ajudar esses pequenos a encontrar o caminho para a boa educação é o grande desafio inicial. O resultado depende do esforço de pais e educadores, explica a doutora em educação:

“O grande recado quando se fala em primeira infância é o seguinte: o pai, a família, e quem cuida dessa criança, tem que ter a percepção que não é um ser ignorante que está ali na frente. Eles estão aptos a entender tudo. Eles são uma esponja, conseguem perceber muito mais coisa que o adulto. Depois eles vão perdendo tudo isso, com passar o tempo. É ali que está sendo desenvolvida a sua inteligência. A sua questão emocional e afetiva”, finaliza.

Fonte: G1| https://g1.globo.com

Postado por: ABIME | www.abime.com.br

Related posts

Conheça os princípios da pedagogia Waldorf na infância

Carolina Sab

A importância da leitura

Carolina Sab

Inteligência emocional na sala de aula

Carolina Sab

Deixe um comentário