Abime
Políticas Públicas Projetos

Pedagogia inclusiva: conheça as ações que promovem educação para estudantes com deficiência em Florianópolis

via G1

Além de investir na melhoria estrutural das escolas de Florianópolis, promovendo reformas e inaugurações de novas unidades, a Prefeitura também tem destinado recursos para projetos que buscam aumentar a inclusão nas escolas municipais. Entre eles, estão a implementação de salas multimeios e playtables.

As salas multimeios servem para o atendimento educacional especializado. De 2017 até o final do ano, terão sido montados 12 espaços, com mobiliários para desenvolvimento de alunos com deficiências, materiais didáticos, pedagógicos, acessibilidade e equipamentos específicos.

A rede municipal de ensino atende hoje cerca de 1.100 estudantes com deficiência. Novos profissionais foram contratados para dar atenção a esse público.

Segundo o secretário de Educação, Maurício Fernandes Pereira, o objetivo desse aumento é acolher com qualidade toda a demanda de estudantes, professores e famílias.

– O atendimento é realizado no turno oposto ao da sala de aula comum, na própria escola em que o estudante frequenta ou em outra escola próxima a sua – explica.

Para dar atenção aos estudantes, há professores de educação especial que atuam no atendimento educacional especializado e auxiliares para estudantes que necessitam de acompanhamento. Há ainda professores e intérpretes de Libras, além de professores que atuam no Centro de Atendimento Pedagógico para Alunos com Deficiência Visual.

Nas salas multimeios serão colocados os playtables, mesas digitais interativas para potencializar o desenvolvimento motor, social, cognitivo, emocional, raciocínio lógico e a resolução de problemas com foco na alfabetização e no letramento dos anos iniciais.

Cada mesa possui aplicativos previamente instalados com atividades em Linguagens, Matemática e Ciências da Natureza. Estes aplicativos permitem o uso compartilhado, através dos games em equipe, ou individual, com uso acessível, por todos os estudantes.

O recurso pretende qualificar o atendimento especializado, contribuindo para inclusão escolar cada vez maior. A tecnologia reconhece qualquer toque humano e também de objetos de plástico, metal e feltro, facilitando o acesso e a utilização da plataforma por crianças com deficiência motora.

O instrumento também serve para inclusão de deficientes auditivos na hora da contação de histórias. Enquanto o professor mostra a história no aplicativo, que traz gravuras, escrita e áudio, um vídeo com uma intérprete de libras é exibido na tela. Assim, o estudante acompanha o ritmo do áudio e interage com as gravuras dos livros.

Além da Anísio Teixeira, neste primeiro lote, o secretário de Educação Maurício Fernandes Pereira, e equipe, fizeram a entrega dos equipamentos nas escolas municipais João Alfredo Rohr, no Córrego Grande, e Osvaldo Galupo, no Morro do Horácio.

De acordo com o titular da Educação de Florianópolis, “essa é uma maneira de tornar a aprendizagem mais dinâmica, interativa, prazerosa e mais próxima ao mundo real”.

Fonte: G1| https://g1.globo.com

Postado por: ABIME | www.abime.com.br

Related posts

Sedu realiza ‘Encontro com auxiliares de Educação’ em Sorocaba

Carolina Sab

Estudantes desenvolvem leitura, escrita e oralidade com projeto de radiodifusão

Carolina Sab

Escolas de São Paulo são convidadas a participar de desafio ambiental da ONU

Carolina Sab

Deixe um comentário