23 de outubro de 2019
Abime
Saber Pedagógico

Workshop reúne professores para a criação de projetos pedagógicos

Em evento gratuito, grupos entenderam como construir propostas transformadoras em sala de aula

via Revista Educação

Criar projetos que motivem os alunos a aprender é um trunfo. Melhor ainda se esses projetos estão conectados ao currículo das disciplinas trabalhadas em classe. Mas quando, além de cativar e complementar o conteúdo curricular, as propostas são de fato inovadoras e transformadoras, algo de muito importante se alcançou.

Com o objetivo de transmitir conhecimento sobre projetos para professores, a rede Base2Edu, em parceria com a Áurea 618, especializada em formação de educadores, realizou em 16 de julho o workshop Da cabeça para o papel – Projetos pedagógicos transformadores na prática.

No espaço Civi-co, na zona Oeste de São Paulo, 48 professores de diversas escolas e formações variadas passaram 3 horas e meia imersos em discussões e atividades práticas.

“Quando fazemos essas trocas, compartilhamos visões, experiências e ajudamos professores. Muita gente tem tanta experiência quanto nós, tanto na idade quanto em sala de aula. Nós colocamos a faísca que permita essa troca e que o resto aconteça”, resume o professor Mairlos Navarro, educador com especializações em Gestão e Educação em escolas como Harvard e Universidade da Finlândia/Tampere.

Reflexão e construção conjunta

Os participantes se reuniram em grupos de trabalho, divididos em frentes de conhecimento — linguagens e códigos, ciências da natureza, ciências humanas, matemática e suas tecnologias. Desenvolveram oito projetos nas temáticas de inclusão e competências sócio emocionais, e em cada frente de conhecimento.

A partir da análise e da discussão de um projeto verdadeiro, cada grupo teve o desafio de escolher um objetivo e criar o seu projeto para uma classe de alunos, com suas características e questões a serem resolvidas.

Mão na massa

O workshop foi permeado pela vivência dos 4 Cs na educação — Conviver/Colaborar, Comunicar, Criar e Criticar.

Depois da definição do tema e das discussões, os participantes aplicaram os conceitos da elaboração de um projeto em todas as suas etapas — do título, passando por resumo, introdução, justificativa, objetivos até a apresentação dos resultados para a turma e a instituição.

Avaliação e críticas

Cada projeto foi elaborado em uma cartolina e os cartazes, afixados nas paredes do espaço para a observação de todos. Para essa etapa, um membro escolhido de cada grupo citou um elemento positivo e outro a melhorar.

“Os professores conseguiram, ao longo de suas atividades, entender os principais elementos de um projeto, aprender como construí-lo de acordo com as demandas da BNCC e, sobretudo, como criar consonância nesse projeto com o currículo das disciplinas que eles trabalham”, afirma o professor Josias Silva, mentor dos programas de Formação de Professores da SME-SP (Secretaria Municipal de Educação de São Paulo), que mediou o workshop ao lado de Navarro.

Silva destaca que os docentes, no decorrer das atividades, conseguiram compreender quais são os elementos que fazem um projeto ser inovador e transformador na classe em que ele for aplicado.

“Com as atividades desenvolvidas, os professores dedicaram a atenção em desenvolver projetos que realmente resolvam algum problema das turmas com as quais eles trabalham, de modo que o projeto não fosse vago; mesmo que bacana, acabasse não resolvendo um problema na comunidade em que é aplicado”, diz Josias.

Conectar e fortalecer

A Base2Edu, idealizadora do evento, é uma rede de educadores e pesquisadores que tem como objetivo conectar possibilidades e oportunidades na área de educação.

O slogan “Transformadores em rede” resume tudo.

“Queremos transformar a educação e acreditamos no compartilhar conhecimento com os professores, no caminhar de mãos dadas. Os workshops são uma forma. Há outras em que também acreditamos, como o Prêmio Professor Transformador. Ele representa um processo de capacitação para que professores comecem a ter a iniciativa de realizar um projeto, trabalhar a metodologia ativa, tirá-lo do campo das ideias e colocá-lo na prática”, afirma o professor. Wellington Cruz, cofundador da Base2Edu.

FONTE: Revista Educação | https://www.revistaeducacao.com.br

Related posts

Música, brincadeiras, interação, como despertar o amor pela educação na primeira infância

Carolina Sab

Como Ser Um Professor Inclusivo: Desafios Da Educação Especial

julio_bessa

Ter menos brinquedo gera mais criatividade

Carolina Sab

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.