11 de julho de 2020
Abime
Gestão Escolar

‘Diário de Escola’: Escola de SP desenvolve projeto de inclusão para alunos estrangeiros

diario-de-escola-escola-de-sp-desenvolve-projeto-de-inclusao-para-alunos-estrangeiros

Escola da região do Canindé, na Zona Norte, passou a integrar crianças através do Projeto Escola Apropriada.

A escola municipal Infante Dom Henrique, que fica no Canindé, na Zona Norte de São Paulo, desenvolveu um projeto para integrar os alunos estrangeiros em suas atividades diárias. A região é conhecida por ser um bairro de imigrantes.

“Por volta de 2011, 2012, percebemos que os alunos tinham um relacionamento muito difícil, principalmente entre os alunos estrangeiros, filhos de imigrantes, e os alunos brasileiros. Eram verdadeiros guetos, eles não se misturavam”, conta a professora de português Fernanda Zientara do Nascimento.

Para resolver o problema, a escola desenvolveu o Projeto Escola Apropriada, que consiste em reuniões quinzenais para entender o que os alunos estrangeiros sentem. Em 2019, as escolas municipais de São Paulo tinham 5.980 estudantes de outros países, sendo a maioria bolivianos (2.974), seguido por haitianos (1.213) e angolanos (322).

“Descobrimos questões como isolamento, agressão e bullying. Começamos a tentar trabalhar mais esses alunos, para que eles conversassem e pudessem trazer mais da sua cultura. E passamos a promover a integração entre os alunos brasileiros e os alunos estrangeiros, afinal, era esse o nó do relacionamento”, explica Fernanda.

Durante as reuniões do Projeto Escola Apropriada, cada aluno estrangeiro tinha o objetivo de levar um colega brasileiro para fazer parte da iniciativa. Os participantes passaram a apresentar sua cultura, comida, dança e religião para os colegas.

“Eu ficava tímida e comecei a me abrir. Passei a falar e me senti muito acolhida. Eles começaram a falar e eu me envolvi. Me senti muito bem aqui”, conta a aluna paraguaia Camila de 14 anos.

O projeto de integração continua, já que todos os anos a escola recebe mais filhos de imigrantes. A novidade para o futuro do projeto é que a professora Fernanda Zientara iniciou a transição para passar o comando do projeto para os alunos.

“A gente quer fazer com que outros alunos que venham chegando, sejam bem recebidos e que outros alunos estejam preparados para receber. Afinal, o mundo é nosso, então, se a gente quer viver em um lugar de valor, de respeito, é a gente que tem que praticar, a gente não pode esperar só do outro”, finaliza a aluna Cleiciane Silva, uma das estudantes que passará a coordenar o projeto.

Related posts

Experiências inovadoras na história da educação são esquecidas e reinventadas

Carolina Sab

Aprendizagem Criativa – Como aplicar projetos inovadores em Educação (gastando bem pouco)

julio_bessa

A Existência de um Currículo e a Escola Flexível

Carolina Sab

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.