8 de julho de 2020
Abime
Inovação Saber Pedagógico

Coronavírus: as estratégias que as escolas encontraram para o ensino online acontecer

Escolas particulares de São Paulo contam que plataformas utilizam e de que forma estão montando o dia a dia escolar domiciliar dos alunos.

O coronavírus quebrou o modelo tradicional de ensino na educação básica que perdurava há anos, o presencial. As escolas estão sendo forçadas a criarem estratégias para que a aprendizagem continue acontecendo, mesmo que a distância. Educação conversou com diretores de escolas privadas localizadas em São Paulo, capital, cujas aulas estão sendo online, com o consultor educacional Eugênio Bastos e com uma mãe que revelam as saídas das instituições escolares diante do isolamento protetivo. Ainda como inspiração, abordamos até a saída que a escola Ballet Paula Castro encontrou para seus alunos continuarem a dançar.

“Tive reunião agora a pouco com a equipe de coordenação e o grande desafio é manter a rotina dos alunos. Além disso, nossa preocupação é com aqueles que estão com dificuldade, contudo, uma preocupação que mesmo no presencial já existia”, afirma a vice-diretora do Colégio das Américas, Zona Oeste, Roseli Ávila.

Para as aulas online, os estudantes do Américas acessam a plataforma QMágico, que já era usada antes (por conta desse momento pandêmico, a plataforma está aberta gratuitamente para qualquer escola). “Essa semana foi de adaptação e o retorno está sendo interessante. Estamos até recebendo fotos dos alunos fazendo as atividades”, conta a vice-diretora.

Roseli reforça ainda que as aulas online não podem ser apenas colocar a apostila na plataforma. O aluno precisa de um feedback, o professor por exemplo, deve fazer revisão com a turma para saber se estão aprendendo. “Outro ponto importante é que a junção escola, coordenação, família e aluno precisa acontecer. A comunicação com os pais ocorre pela ClassAPP e a coordenação está online pelas plataformas de comunicação convencionais”, acrescenta Roseli.

Tem que estimular

A diretora da Escola Bosque, Zona Sul, Silvia Scuracchio, conta que devido à instituição já utilizar a tecnologia no dia a dia, o uso da plataforma Teams, da Microsoft, foi apenas uma questão de reajustar a abordagem do ensino. “Os alunos estão tendo aula online e ao vivo pelo Teams, permitindo interação com o professor, uma vez que tem espaço para eles fazerem perguntas. É uma dinâmica agradável e atraente. Acho que o estudante acaba se sentindo muito mais acolhido e engajado do simplesmente fazer videoaula, que é muito chata. Oferecer videoaula para ensino superior é uma coisa, mas para crianças que na casa tem tablet, cachorro e muitos outros atrativos acho que não funciona”, diz.

A grade diária é composta por pelo menos uma aula ao vivo, que também é gravada para aqueles que não conseguem o acesso imediato, e o resto voltada a atividades digitais com horários flexíveis, explica Silvia. Os alunos também estão recebendo um tutorial com dicas para se criar uma rotina de trabalho, uma vez que a equipe da escola entende que se para um adulto é difícil ter disciplina dentro de casa imagine para as crianças e adolescentes.

Na educação infantil, Silvia explica que a equipe está gravando as salas de aula para os pequenos se sentirem familiarizados. Já no fundamental II, os alunos apresentarão trabalhos ao vivo para os demais colegas e professor, além de trabalhos colaborativos por meio de ferramentas compartilhadas.

O material para todos os anos escolares também está digitalizado para as famílias que estão ou ficarão sem acesso à internet. “Começo de abril começarão as provas. Estamos preparados para dar até avaliações online, porque isso pode durar mais tempo. A ideia não é massacrar, mas manter ritmo, manter o contato com o conteúdo e disciplina porque sabemos que é saudável”, relata.

Visões

Desde 1983 no setor, o consultor educacional Eugênio Cordaro, que tem entre seus clientes o Colégio Santa Cruz, Móbile, a Escola Lourenço Castanho e o Colégio Miguel de Cervantes diz que de maneira geral os professores estão se saindo muito bem. “Eles pegam a dinâmica na mesma hora, sabem o que fazer e criam propostas interessantes. Estou feliz com eles. O problema é como lidaremos com o ensino online se o isolamento se estender”, pontua.

O consultor aconselha as escolas a estarem junto dos professores. Já sobre a carga horária, diz que deve ser praticamente igual a como é na escola, com algumas particularidades.

Bianca Leite está no 3º ano do ensino médio no Colégio Ítaca, Zona Oeste. Nesta semana as aulas foram optativas e Bianca não foi nenhum dia para se proteger. Sua mãe, Mônica Luise, conta que o Ítaca adotou a plataforma Moodle e durante o período de isolamento, toda a sexta-feira serão postadas atividades por turma e por disciplina para a semana seguinte e com data para entrega. Além disso, durante pelo menos uma vez na semana haverá um fórum por disciplina e turma para o professor e estudantes juntos solucionarem dúvidas.

“Eles sugerem que os alunos façam as atividades nos horários que ocorriam as aulas presenciais. Eu acho que a plataforma vai dar apoio, reconheço o comprometimento da escola em não deixar o aluno parado”, defende a mãe.

Fora da educação básica

Como bem mostra o Ballet Paula Castro, tempo de crise é tempo de se reinventar. Com quatro unidades na capital paulista, a escola de formação livre de ballet, jazz, hip hop e outras modalidades começou a oferecer já nesta semana do dia 16, aulas online gravadas no celular — independente da perfeição do produto a equipe entende que era momento de agir. A ideia é ir aprimorando aos poucos.

“É um projeto que sempre quis fazer só que no dia a dia, por conta da demanda a gente não consegue. Só que nesse momento eu acabei vendo essa oportunidade de a gente trazer um pouco de conforto por meio de exercícios práticos e lúdicos para as crianças não ficarem sem a dança”, afirma Renato Gosling, diretor de marketing e inovação do Ballet Paula Castro, que enfatiza que foram os primeiros no mercado da dança a criar essa alternativa.

Segundo Renato, os professores possuem receios, como os de serem julgados, mas a equipe está persistindo e os resultados estão sendo positivos. Começaram com cerca de cinco vídeos, tendo cada um de três a quatro minutos, “mas os alunos estão pedindo para fazer direto sem pausa, sinal que está dando certo. Contudo, é curioso, uma vez que se orienta a fracionar no ensino a distância”, conclui.

 

Fonte: Revista Educação

Postado por: Abime | Abime.com.br

Related posts

Malala Yousafzai: por que luto pela educação

Carolina Sab

Redações para Olimpíada de Língua Portuguesa já podem ser enviadas

Carolina Sab

Escola de Santo André usa teatro para promover imersão na literatura

Carolina Sab

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.