10 de julho de 2020
Abime
Sem categoria

Ensino à distância em tempos de coronavírus

Abime-ensino-a-distancia-em-tempos-de-coronavirus

Mais de 100 países fecharam suas escolas para tentar conter a propagação do coronavírus. De acordo com a Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura), cerca de 800 milhões de crianças e adolescentes estão sendo afetadas pelo isolamento. Isso significa a metade dos estudantes do mundo.

Diante da pandemia e do fechamento temporário das escolas, o ensino a distância (EAD) vem sendo aconselhado para minimizar o impacto negativo sobre a educação.

A Unesco publicou 10 recomendações sobre ensino a distância, que listamos aqui:

  1. Escolha as melhores tecnologias para sua escola, de acordo com o sistema de comunicação da sua área e capacidade tecnológica de seus professores e alunos.
  2. Assegure-se de que os programa são inclusivos a todos os estudantes.
  3. Fique atento para a segurança e proteção de dados – avalie a segurança da comunicação online e que essas plataformas e aplicações não violem a privacidade dos alunos.
  4. Mobilize ferramentas que conectem escolas, pais, professores e alunos. Crie comunidades que assegurem interações humanas regulares, visando resolver desafios que podem surgir com estudantes isolados.
  5. Organize o calendário.
  6. Apoie pais e professores no uso de tecnologias digitais – organize formações e orientações de curta duração para alunos e professores. Ajude os docentes com as condições básicas de trabalho, como rede de internet para aulas por videoconferência.
  7. Mescle diferentes abordagens e limite o número de aplicativos, evitando pedir aos alunos e pais que baixem ou testem muitas plataformas diferentes.
  8. Defina regras com pais e alunos. Crie testes e exercícios para avaliar a aprendizagem.
  9. Defina a duração das aulas a distância de acordo com a capacidade dos alunos de se concentrarem em uma aula de videoconferência. De preferência, cada sessão não deve exceder 20 minutos para o ensino primário e 40 minutos para o ensino secundário.
  10.  Crie comunidades de professores, pais e diretores para combater o sentimento de solidão, facilitando a troca de experiências e discussão de estratégias para enfrentar as dificuldades.

 

EAD no Brasil

As aulas a distância estão virando realidade em grande escala no Brasil por causa da pandemia de Covid-19. Escolas do Ensino Infantil ao Superior estão usando recursos tecnológicos para manter seus alunos no processo de aprendizagem.

Antes da crise sanitária do coronavírus, o Brasil tinha cerca de 1.800.000 brasileiros matriculados em alguma modalidade de EAD. Os dados são do censo 2018/2019 feito pela Associação Brasileira de Ensino a Distância, ABED.

A diretora da Associação, Lana Paula Crivelaro, conta que esse último censo apontou um aumento de 17,6% no número de matriculados em EAD em relação ao censo de 2017 e que, antes da crise sanitária do Covid-19, já existia uma expectativa de que fossem mais de 2 milhões de alunos matriculados em EAD até 2023. Agora, diante da crise sanitária, afirma Lana, “a expectativa é que esse número de alunos matriculados será alcançado bem antes desse prazo”.

Segundo Lana, em 2018, das 13,5 milhões de vagas ofertadas para cursos de educação superior no Brasil, cerca de 7,1 milhões foram destinadas para educação a distância e 6,4 milhões para ensino presencial. Isso mostra que o número de vagas ofertadas se tornou maior no EAD do que na educação presencial pela primeira vez na história.

A possibilidade de evitar deslocamento físico para uma instituição de ensino, a flexibilização do tempo e valores de mensalidades mais acessíveis do que cursos presenciais estão entre os fatores que levam alunos a optarem por essa modalidade de ensino.

A diretora da ABED Lana Paula Crivelaro explica que o ensino a distância não é mera reprodução do modelo de ensino presencial e que, neste momento que enfrentamos uma crise sanitária sem precedentes, temos a oportunidade de revolucionar a educação por meio da EAD. E alerta: esta “é a hora da mudança, de repensar os modelos de ensino para adequarmos as escolas a uma realidade diferenciada, moderna, mais ativa e colaborativa, pois desse limão temos a chance de fazermos uma deliciosa limonada e mudar a educação definitivamente”.

 

Fonte: Escolas Exponenciais

Postado por Abime

Related posts

Colégio Gentil Bittencourt

julio_bessa

Senado aprova títulos de crédito recebíveis da educação, para socorrer escolas privadas

julio_bessa

Plataforma oferece mais de 100 cursos gratuitos à distância

julio_bessa

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.