17 de janeiro de 2021
Abime
Saber Pedagógico

Comunicação não violenta: o que é e como aplicá-la na sala de aula

comunicação não violenta

Na escola, é comum acontecerem situações de conflito. Quem nunca entrou em uma sala de aula e presenciou brigas entre alunos e até professores perdendo a paciência? É nesse momento que devemos falar sobre comunicação não violenta.

Pode parecer até óbvio, mas existem muitas formas de se expressar e várias vezes erramos. Por isso, é tão importante aprender maneiras de solucionar conflitos e se comunicar da melhor forma possível.

Isso também se aplica na escola, tanto na sala de aula quanto nos corredores, quadras, cantinas, sala da diretoria. Quer entender como aplicar a CNV? Continue a leitura!

O que é Comunicação Não Violenta?

Antes de tudo, precisamos entender o que isso significa. O que é se comunicar de forma não violenta? Será que realmente precisamos refletir?

O CNV é um método com técnicas de comunicação criado para resolver problemas de maneira pacífica, com empatia e compaixão. Para isso, utilizamos o diálogo sem jogar culpa, ameaçar ou julgar.

Essa metodologia foi desenvolvida pelo americano Marshall Roserberg para identificar as necessidades de cada pessoa. O seu fundamento veio da ideia de que todos somos seres de compaixão com nossas próprias experiências sobre o mundo.

Então, é natural que cada um absorva e reproduza violências que encontraram ao longo da vida. Isso dificulta nossa comunicação, mas podemos entender como transformá-la com novas estratégias.

Confira algumas das principais vantagens da Comunicação Não Violenta:

  • Evita técnicas punitivas
  • Desenvolve a sensibilidade
  • Quebra o papel do professor autoritário que sempre tem razão
  • Desenvolve a expressão dos sentimentos
  • Ajuda a resolver problemas e conflitos
  • Promove educação afetiva
  • Desenvolve autonomia na aprendizagem
  • Cria um ambiente agradável na escola
  • Alinha expectativas de alunos e educadores

Os 4 pilares da Comunicação Não Violenta

Afinal, como podemos colocar em prática? O método tem quatro pilares que ajudam a nortear:

Observar sem julgar

Devemos observar as coisas que nos afetam e tentar não julgar. Entenda a mensagem que está sendo passada sem criar juízo de valor, apenas compreendendo o que se gosta ou não no que está acontecendo, naquilo que está sendo falado ou feito.

Identificar sentimentos

Pergunte-se como você está se sentindo, o que a situação desperta em você. Além disso, é importante dar nome à emoção, seja felicidade, medo, tristeza, raiva. Também é necessário se permitir ser vulnerável para saber a diferença entre o que pensamos e o que sentimos.

Assumir necessidades

Quando entendemos o nosso sentimento, precisamos reconhecer quais são as suas necessidades. Lembre-se que o que o outro faz pode estimular, mas não pode ser a causa das nossas necessidades. Para isso, precisamos fazer uma análise pessoal de forma clara.

Fazer pedidos

Depois, podemos pedir com uma solicitação específica, com ações concretas, o que queremos da outra pessoa. Devemos usar uma linguagem positiva, em forma de afirmação, evitando frases vagas ou ambíguas.

Como aplicar a CNV na escola

Agora, você já deve ter entendido como a Comunicação Não Violenta é essencial para a rotina de uma escola. No dia a dia, é comum encontrarmos atos de violência no ambiente escolar, seja verbal ou ou até mesmo física.

O ato de gritar, ordenar, brigar e repreender podem inibir ou constranger os alunos. Muitas vezes, os educadores fazem isso sem perceber e não entendem como pequenos detalhes podem marcar a aprendizagem dos estudantes.

Segundo a CNV, nós nos comunicamos para expressar nossas necessidades e costumamos ter dificuldade para nos expressar da forma correta. Então, devemos perceber, compreender e expressar nossos sentimentos.

Precisamos evitar as punições e estimular que os alunos ouçam seus colegas, colaborando para o desenvolvimento das habilidades socioemocionais. Na sala de aula, podemos utilizar atividades práticas e criar diálogos.

Atividades para a sala de aula

O melhor caminho para iniciar a Comunicação Não Violenta é praticar a escuta ativa. Abra espaço para que as necessidades sejam ouvidas, compreendidas e atendidas. O professor deve entender os alunos da mesma forma que eles entender as preocupações do professor.

Algumas formas de colocar a CNV em prática é com rodas de conversa e expressão, em que os alunos podem compartilhar seus sentimentos. Para isso, não se esqueça que as emoções são mais complexas do que simplesmente felicidade e tristeza, devemos explorar as suas nuances.

Você também pode criar uma tabela de sentimentos e sensações, mostrando com imagens e ilustrações como são os vários tipos de sentimentos. Converse com os estudantes e mostre que é importante compreender a si mesmo e se expressar.

Também é interessante desenvolver atividades que ajudem a lidar com a frustração. Trabalhe os quatro pilares da Comunicação Não Violenta aos poucos e não desista dos resultados!

Comunicação Não Violenta na BNCC

Outro ponto importante a ser considerado pela escola é a aplicação da CNV na Base Nacional Comum Curricular. Ela fala sobre estimular as habilidades socioemocionais dos alunos em todas as competências gerais.

Os alunos precisam desenvolver inteligência emocional na escola e a Comunicação Não Violenta é a chave para aplicar isso dentro e fora da sala de aula.

Ao aplicar esse método na sua escola, só existem vantagens. Alunos e famílias poderão entender melhor sobre o seu papel na jornada educacional e até mesmo os professores terão uma percepção melhor sobre o seu trabalho.

Afinal, o trabalho de um educador também pode ser estressante e é difícil lidar com as exigências da profissão e das expectativas dos colegas. Utilizando a Comunicação Não Violenta, podemos abrir espaço para melhorar toda a comunidade escolar.

Fonte:  Jornada Edu

Postado por Abime

Related posts

10 filmes para repensar a educação

Carolina Sab

Programa seleciona alunos de baixa renda para estudarem em escolas particulares

Carolina Sab

Investimento na primeira infância traz retorno imensurável, defende Nobel da Economia

Carolina Sab

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.