19 de setembro de 2021
Abime
Políticas Públicas

Senado aprova prioridade para alunos com deficiência nas matrículas na rede pública

alunos com deficiência nas matrículas na rede pública internet

Texto sobre prioridade para alunos com deficiência, que vai à Câmara, também prevê o fornecimento de material didático adaptado às necessidades dos estudantes. Sessão foi marcada por críticas ao ministro da Educação.

Senado aprovou por unanimidade nesta terça-feira (17) o projeto que prevê prioridade de matrícula de alunos com deficiência e crianças e adolescentes com doenças raras em creches, pré-escolas e escolas de ensino básico, públicas ou subsidiadas pelo Estado. Foram 75 votos a favor e nenhum contra.

O texto, de autoria da senadora Nilda Gondim (MDB-PB), segue para a análise da Câmara dos Deputados. A proposta também prevê o fornecimento de material didático adaptado às necessidades desses estudantes.

O projeto que prioriza alunos com deficiência inclui a previsão de prioridade na Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Relator da proposta, o senador Romário (PL-RJ) diz que é comum verificar filas de espera para a matrícula de alunos no ensino público, porque o Estado “ainda não consegue suprir a demanda dos brasileiros por educação”.

“A concorrência acirrada por matrículas pode deixar crianças e adolescentes com deficiência fora da escola e da creche, agravando-lhe o isolamento social e atrasando o desenvolvimento de suas potencialidades”, afirmou Romário.

Em outubro de 2020, o Ministério da Educação publicou uma nova política para a inclusão de alunos com deficiência. O documento foi amplamente criticado por especialistas.

Críticas ao ministro da Educação

 

O projeto  que prioriza alunos com deficiência foi aprovado em meio à repercussão de uma fala recente do ministro da Educação, Milton Ribeiro, sobre alunos com deficiência.

Em entrevista à TV Brasil, Ribeiro disse que alunos com deficiência podem atrapalhar o aprendizado de outros estudantes. Após a repercussão, o ministro da Educação afirmou que a fala foi retirada de contexto.

Segundo o jornal “O Globo”, Ribeiro também afirmou em resposta à repercussão negativa que há crianças com “autismo severo” que criam “dificuldades para elas e outros alunos”.

O senador Romário classificou a fala do ministro como “absurda e falsa”.

“O ministro da Educação – eu não vou nem falar o nome dele, por se mostrar uma pessoa tão desprezível – disse em entrevista que as crianças com deficiência atrapalham os demais alunos em uma sala de aula. Além de uma demonstração evidente de total incapacidade para ocupar o cargo que tem, a fala do ministro revela um odioso e ultrapassado preconceito em relação às crianças com deficiência, coisa que jamais imaginaríamos ocorrer com a mais alta autoridade pública educacional”, afirmou Romário.

 

Fabiano Contarato (Rede-ES) disse que quem “atrapalha” a educação no Brasil é o ministro Milton Ribeiro – que, nas palavras de Contarato, é “inoperante, incapaz e preconceituoso”.

“Meu repúdio à fala do ministro da Educação. Mas eu quero deixar claro que quem está atrapalhando é ele”, frisou o senador da Rede.

Omar Aziz (PSD-AM) chamou Milton Ribeiro de “imbecil” e que faz declarações sem ter “conhecimento”.

“Temos que conviver com um verdadeiro imbecil como o ministro da Educação, que fala sobre deficientes sem ter conhecimento. Ministro, eu não sei se você crê em Deus, mas tenha certeza de que para o reino dos céus, o senhor não irá. Sabe por quê? Porque o senhor tem que respeitar o ser humano. É um princípio bíblico”, disse Aziz.

Fonte: G1

Postado por Abime

Related posts

MEC destina R$ 143,2 milhões às instituições federais de ensino

julio_bessa

Universidades federais lançam programa piloto de mobilidade virtual

julio_bessa

Conheça três plataformas gratuitas que preparam para o Enem

julio_bessa

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.